sábado, 4 de outubro de 2008

Pensamento Vivo

“Crescer, descobrir... é algo que experimento cada dia, às vezes bom, às vezes frustrador... não importa! Deixe sua luz interior guiá-lo, para fora da escuridão.”

Bruce Lee sempre será uma grande inspiração. Desde o momento que seus pensamentos chegaram as minhas mãos, pude dizer que não fui mais o mesmo. Eu havia mudado. Apartir daquele momento, suas palavras tiveram o poder de fazer renascer algo que estava morto há muito tempo: a confiança em mim mesmo. Uma coisa aparentemente simples, mas que a sociedade atual adora ver se deteriorando dentro de nós.

Imitação, desânimo, apego, ignorância e maldade, eram coisas que ele fez questão de abandonar de sua vida diária. Ele sabia que todas estas palavras eram sinônimos de frustração e infelicidade, e que somente uma atitude positiva e uma mente livre de idéias pré-concebidas poderiam nos ajudar a enfrentar os inúmeros desafios que inevitavelmente surgem no decorrer do caminho. E entre eles estavam: a velhice, a doença e a morte. Todos fatos irremediáveis! Quer gostemos da idéia ou não. E foi esta constatação que estreitou seu relacionamento com o pensamento budista e taoista, que mais tarde se tornariam a base de sua filosofia.

Ele sempre foi um leitor assíduo. Tinha em sua biblioteca mais de 2000 livros que abordavam os mais diversos assuntos, entre eles: medicina, física, química, nutrição, sociologia entre outros. Tanto de autores do Oriente quanto do Ocidente. E nós? O que andamos lendo ultimamente? Acreditamos que o nosso velho hábito de ler jornais e revistas diariamente (do qual tanto nos orgulhamos) possa nos ajudar a desenvolver uma visão mais crítica sobre os fatos que nos cercam. Na verdade, só pioram. Antes de saber o que acontece no mundo lá fora, deveríamos entender primeiro o que se passa dentro de nós. Acredite: num simples ato como o de folhear algumas páginas de um livro, já é possível balançar todos os alicerces que sustentam uma sociedade feita a partir da mais tola tradição.

Sempre me indaguei sobre o que Bruce Lee queria dizer quando falava que deveríamos nos tornar parecidos com a água corrente. Com aquela que se adapta a qualquer situação. Aquela que não possui forma certa. Aquela que é capaz de absorver toda a sujeira a sua volta, e mesmo assim continuar seu curso de forma inabalável. Talvez seja isso que sempre me faltou. Buscar me moldar a cada situação que apareça. Pensar em cada situação com antecedência, para que quando elas chegarem (tanto porque cedo ou tarde elas vão chegar) eu já terei na experiência um poderoso suporte. Realmente, num tempo onde a insegurança impera, estas idéias fazem toda a diferença.

O pensamento de Bruce Lee sempre vai continuar vivo na mente e nos corações daqueles que como ele acreditavam na construção de um mundo mais justo e fraternal. Um lugar onde não existissem bandeiras nem hinos, crenças ou cruzes, onde a busca pelo poder não fizesse com que armas fossem apontadas na direção de inocentes. Um lugar onde as pessoas não desistissem tão facilmente de seus sonhos. Mesmo aqueles ditos impossíveis. Resumindo, um lugar onde nossos golpes só visassem nos defender de nossa própria ignorância. E, para finalizar, faço uso das belas palavras que sua esposa Linda Emery sempre usava para se referir a sua lembrança: “Não importa como Bruce Lee morreu, mas sim como ele viveu”.

"O futuro parece ser extremamente brilhante, com muitas possibilidades pela frente - grandes possibilidades. Como a canção diz: 'Nós precisamos apenas começar'."